Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

Ara Romana

27
Jul09

 

Pormenor do Altar da Capela da Granginha!

 

Sim, já sei que a fotografia não é famosa, mas então, façam-lhe uma visitinha para tentar a sua leitura...

 

:

 

O primeiro que o conseguir, com a respectiva tradução terá um presente!

A Pipa Secou !!!

20
Jul09

 

A Granginha ficou sem a água fresca da Pipa...

 

Não resistindo ao ano de pouca chuva, a Pipa secou!

Mas a natureza por vezes é sábia, e tenta precaver os incautos homens!

Estando a mina, onde brota a água da pipa a ameaçar ruína, eis que a natureza, dá a possibilidade de evitar que se perca para sempre...

Secou até ao próximo Inverno, para possibilitar o restauro do seu interior!

Espera-se que a Junta de Freguesia,  providencie no sentido de requalificar a  mina da Pipa, evitando a sua ruína...

 Não queremos perder mais um símbolo deste humilde lugar!

 

Mais um passo...

13
Jul09

     É notícia nos Semanários locais da última sexta-feira, que foi adjudicado na última reunião de Câmara, o saneamento da GRANGINHA, à firma " Dacop - Construções e Obras Públicas, Ldª ", que segundo informação, do executivo,  além da aldeia em si, inclui, Bairro da Lama, Rua dos Barreiros (Cando/ Granginha), com ligações ao Alto da Forca e Bairro da Várzea, ascendendo o valor da obra a 680 mil euros, visto abranger uma vasta área.

 

 

 

      Aguardamos agora, que a empresa inicie os trabalhos brevemente, para que o inverno, não traga atrasos. Atendendo também que existe uma única via principal, que permite a entrada e saída do centro da aldeia, espera-se célere, com os cuidados a ter pelo facto de ser uma aldeia com vestígios históricos à espreita...

HISTÓRIA APAGADA...

10
Jul09

CAPELA DA GRANGINHA - FRESCO

 

 

  

   Na década de oitenta, quando o Capela foi objecto de restauro, por detrás do altar em talha, foi descoberto este fresco, bem como uma ARA, que ainda se encontra no local original. Esta  ARA  e a pedra que suporta teriam servido de altar às primeiras celebrações cristãs e ficou  a descoberto após o restauro. O altar retirado nesta altura, encontra-se agora a apodrecer atrás da porta!

    A "entidade" que supervisionou na altura o restauro ( "IPPAR"), achou que não valia a pena o seu estudo ou reconstituição, por estar em mau estado e foi imediatamente removido. Bem ficamos por aqui...Segundo comentários da altura seria um Cristo em Majestade!     

   Convém referir que  para algum desse mau estado contribuiu a forma atabalhoada, como foi retirada a cal em redor, pois ainda estava o altar em madeira no seu lugar original, já os pedreiros picavam a parede, por detrás da madeira sem ter noção onde batiam com os picos...

    Fica a lembrança desta foto, talvez única, tirada à socapa por um curioso !!!

   

     Espera-se que no futuro, em novas intervenções, nomeadamente no adro exterior, quando se proceda à drenagem das águas pluviais e sua pavimentação, se faça história e  não se continue a apagar...

A história e a Grangia...

02
Jul09

 

 

GRANJINHA

 

     O topónimo "Granjinha, ou GranGinha" provém do vocábulo "Grangia", que por sua vez, teve origem em Grange, de origem franco-francesa.

      Foi introduzido pelos Monges Cistercienses, séc.XII.

      Porém, a fundação desta ALDEIA é muito anterior.

     Alguns vestígios encontrados (e surripiados) nos meados do século passado (e os imensos que permanecem «escondidos») indicam a sua origem Celta, - a sua ocupação romana, visigótica e mourisca - o que não é nada de estranhar, pois os Celtas o Noroeste da Península ocuparam durante séculos.

     Os primeiros cristãos e Monges, que dela fizeram mosteiro e coutada, apagaram-lhe o nome e alteraram, de acordo com as suas conveniências, o tempo pré-existente, assim com o fizeram com a Cruz, outros símbolos e cultos.

     "Lá, ainda se ama a Natureza, se respeita o respeito, se recorda com saudade, se sofre com resignação, e se vive com a amor.

     E os que nela morrem têm direito ao céu!"

 

                                                                                                         

                                                                                                                 Luís da Granjinha

                                                                                                                  de "A Minha Aldeia" - 2008